SOLAR REPRESENTARÁ UM TERÇO DA PRODUÇÃO ELÉTRICA DO MUNDO ATÉ 2060

Compartilhe esse post

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

Brasil é privilegiado por apresentar um excelente recurso solar, com potencial de geração de energia entre 1.500 e 2.350 kWh/m²/ano

A energia fotovoltaica poderá representar um terço da produção global de energia elétrica até 2060, segundo estudo da Agência Internacional de Energia, do inglês International Energy Agency (IEA). A preocupação com o meio ambiente frente às mudanças climáticas e as tecnologias disponíveis para a geração de energia solar têm feito o mundo olhar investir nessa fonte natural e inesgotável de energia.

O Brasil é privilegiado por apresentar um excelente recurso solar, com potencial de geração de energia entre 1.500 e 2.350 kWh/m²/ano, conforme dados do Atlas Brasileiro de Energia Solar do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

Nos países, grandes e pequenos produtores têm usufruído de inúmeras formas desse mercado, aproveitando a Resolução Normativa 482/2012 da Aneel, que permite que qualquer pessoa possa realizar a troca da energia com a rede elétrica.

O primeiro semestre deste ano foi suficiente para que as instalações de sistemas fotovoltaicos no Brasil atingissem 90,77% do total instalado em 2018, de acordo com dados da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), que controla o segmento de geração distribuída.

De acordo com a Aneel, foram feitas 31.896 novas conexões de micro e minigeradores à rede até o final de junho deste ano, quase o total de instalações realizadas no ano passado, que foi de 35.139 sistemas. Em investimentos, o volume já se aproxima dos R$ 4 bilhões movimentados pelo mercado de energia solar distribuída em 2018, segundo informou o estudo da empresa Grenner, referente ao 1º semestre do segmento em 2019.

Diversos fatores podem ser apontados para este aumento significativo no número de instalações. Um deles é a maior oferta de linhas de financiamentos em energia solar por bancos públicos e privados. Com taxas e prazos bem atrativos, essas linhas de crédito têm permitido a mais consumidores gerarem a própria energia, em especial empresas, sendo a forma de pagamento escolhida por 39,6% delas, de acordo com o estudo da Grenner.

Fonte: Portal Solar

Veja mais