ENERGIA SOLAR RESIDENCIAL: O QUE É A TAXA MÍNIMA DE ENERGIA E POR QUE ELA É COBRADA?

Compartilhe esse post

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

Uma expectativa comum de quem recorre a um sistema de energia solar é esperar que ela zere a fatura de eletricidade. No entanto, isso não é possível, por conta de uma tarifa conhecida como “custo de disponibilidade”, que é a taxa mínima de energia cobrada mensalmente na conta de luz dos brasileiros.

Se você está na dúvida sobre instalar um sistema fotovoltaico ou não, essa postagem tem todas as informações de que precisa para tomar sua decisão.

Explicaremos tudo o que você tem que saber sobre a taxa mínima. Você vai entender quanto custa, por que é cobrada e se interfere na economia com o uso de energia solar. Continue acompanhando e boa leitura!

O que é a taxa mínima de luz?

A taxa mínima de energia é um valor cobrado pelas distribuidoras e pago pelo consumidor residencial para que haja acesso à rede elétrica na casa.

Se você consumir acima do valor mínimo, não haverá cobrança da taxa. Assim, você só paga o que consumiu. Porém, mesmo que sua família tenha viajado e não tenha consumido luz, a taxa mínima é paga como uma espécie de mensalidade pelo oferecimento do serviço.

Por isso, “custo de disponibilidade” é o nome da taxa. É o valor que se paga pela disponibilidade de energia elétrica no momento em que for necessário, mantendo a infraestrutura de sua casa funcionando, quer você desfrute dela naquele momento ou não.

Qual é o valor da taxa mínima?

O custo de disponibilidade é regulado pela Resolução n°414 de 2010 e seu valor é determinado pelo padrão de conexão da sua casa: monofásico: 30 kWh (quilowatts-hora); bifásico: 50 kWh (quilowatts-hora) e trifásico: 100 kWh (quilowatts-hora).

A fornecedora de energia que define esse padrão de conexão. Um técnico vai à sua casa, avalia seus equipamentos e determina seu perfil de consumo. Se você quiser saber o padrão de energia da sua casa, basta verificar em sua conta de luz.

Então, por exemplo, se R$ 0,85 for a tarifa cobrada pela distribuidora, uma residência de padrão bifásico terá a taxa mínima de R$ 42,50 (Valor da tarifa x Padrão bifásico).

Por que é preciso pagar a taxa mínima mesmo com sistema de energia solar?

Você terá que pagar o valor da taxa mínima, mesmo que você decida instalar um sistema fotovoltaico em sua residência. Isso acontece pelo simples fato de que gerar energia solar não significa que você não use a rede elétrica: o sistema de energia solar só gera energia durante o dia, enquanto há sol.

Durante à noite, ou até mesmo naqueles momentos de pouca luminosidade, é preciso usar a energia da rede para que seja possível suprir o consumo, parcial ou totalmente. Sendo assim, não há cobrança da taxa só se você desligar a rede de fornecimento.

Qual a vantagem de ter um sistema fotovoltaico?

Ainda que não dispense a taxa mínima de energia, um projeto de produção de energia solar desenvolvido corretamente pode gerar até 95% de economia na conta de luz.

O território brasileiro tem altos índices de irradiação solar. Isso significa um grande potencial para geração de energia barata. Ao investir em um sistema de geração de energia solar, você estará pagando por placas solares que costumam durar mais de 25 anos.

Além disso, o tempo de payback, ou seja, o tempo que leva para ter o retorno do valor investido no seu sistema, é de 4 a 5 anos. Assim, os outros 20 anos de funcionamento equivalem à energia gratuita. Isso significa que o custo de disponibilidade não interfere em nada a economia que a energia solar pode trazer ao consumidor.

E aí, gostou do texto? Quer continuar aprendendo com os nossos conteúdos? Então aproveite a visita em nosso blog e descubra por que investir em energia solar no inverno é um bom negócio!

Veja mais